Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Descinza

A cinza das janelas nas horas
a cinza dos cristais e da fumaça
a cinza minha, minha parte cinzenta
a cinza de pensamentos embora
Eis a cinza, eis que agora
as cinzas não se vão, não que me implora
O parque de cinzas e um abraço de outrora
A ferida das garças e o remorso de fora
Eis que não me quero me ir
E não me quero me fluir
E talvez me afogar
Nas suas cinzas emendadas
Nas suas cinzas de agora
Faça-me a maior das garças
E o maior dos mares
E tanto quanto o mais belo dos ramalhetes
Que estejam em repouso profundo na cabeceira da tua cama
E a sua cabeça no travesseiro, a minha cabeça no seu braço
A minha cabeça na sua cabeça
É como implorar pelo império da solidão
Mas é um império de cinzas
Um império de amanhã, depois de amanhã
E quem sabe
O império de nós dois e das nossas cinzas.










~









Verano

Nenhum comentário:

Postar um comentário