Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

domingo, 2 de outubro de 2011

Lacrimosa - The Original Soundtrack

Olá povo (?) que acompanha o meu blog, como vão? Eu vou muito bem.
Dia 30 lancei meu primeiro livro, intitulado “Santuário”, no SESC Centro, e no dia vendi entre 31 a 35 livros (não me lembro bem agora a quantidade certa). E pasmem, já está em todas as livrarias aqui na minha cidade e tem uma quantidade considerável de pessoas correndo atrás.
Pra dizer a verdade, eu não sei muito bem como descrever este livro, quando o leio, acho-o bobo e sem sentido, e em metade dos poemas não lembro bem o que queria passar. Comentei sobre isso com meu melhor amigo e colaborador criativo de Oráculo das Feras Louie Mimieux, e suas palavras foram as seguintes:

Queria lhe parabenizar pelo ótimo trabalho em Santuário viu, é muito bom. Superou minhas expectativas e me deixou bem confuso.
Ele passa aquela sensação, desde a primeira página, de que você está entrando num local proibido.
Parece bobo pra você porque revela sentimentos e mágoas que você tinha
naquela época para com as pessoas e o mundo ao seu redor, coisa que já passou
e que parece besteira hoje em dia.
Mas quando a gente lê dá pra sentir o momento, entende?
Dá um medinho ler ele!
Algumas passagens são mórbidas e assustadoras e deixam a gente angustiado.


Imagino que seja isso mesmo. Na época de Santuário, eu estava numa época obscura, embaçada e ao mesmo tempo extremamente bucólica da minha vida, era como se eu estivesse na ambientação da minha série Hidden Place, ou quase isso. Em 2009 foi tudo muito confuso e intenso pra mim, mas lembro-me muito bem que foi um ano cheio de chuva, tardes que gelavam às cinco horas da tarde, tardes em que eu começava a moldar uma grande amizade com o Louie.
Tardes dolorosas, profundas, inesquecíveis. Era chuva, era Andrew Oliveira se transformando em Black Cherry, era Black Cherry surgindo para caminhar sobre uma montanha de crânios.
Bem, agora deixando a dramaticidade de lado, vamos ao que interessa, a trilha sonora do meu melhor drama do ano: Lacrimosa!
Lacrimosa, como já devo ter dito, escrevi na última semana de julho e na primeira semana de agosto, e venho postando bem devagarzinho desde então, dois meses de muito amor, sexo, tragédia e reviravoltas neste blog. Tenho pouquíssimos leitores de Lacrimosa, pra dizer a verdade, mas eles valem por muitos! Por enquanto é isso mesmo, apesar de que aqui na minha cidade eu já não viva mais tanto no anonimato.
Imaginem só, eu atraindo duas turmas de letras das universidades UEAP e UNIFAP! Professores, pedagogos, amigos e família. Senti uma felicidade única nesta noite, e tenho certeza que terei noites maiores. Bem, fiquem com a Trilha Sonora Original de Lacrimosa por aqui, como toda boa série deste blog:


01 – Turning Tables – Adele [Álbum: 21]
02 – Pagan Poetry (music box) - Björk [Álbum: Vespertine]
03 – Stroker Ace - Lovage [Álbum: Music To Make Love To You Old Lady By)
04 – Ma Jeunesse Fout Le Camp - Françoise Hardy [Álbum: Les Grands Succés de Françoise Hardy]
05 – Yoü And I – Lady Gaga [Álbum: Born This Way]
06 – Moon And Moon - Bat For Lashes [Álbum: Two Suns]
07 – Lacrimosa – Wolfgang Amadeus Mozart [Álbum: Requiem]
08 – More - Hooverphonic [Álbum: The Night Before]
09 – Surrender – Ólöf Arnalds feat. Björk [Álbum: Innundir Skínni]
10 – Come Undone - Placebo [Álbum: Battle For The Sun]
11 – Eat Yourself - Goldfrapp [Álbum: Seventh Tree]
12 – I Know Places – Lykke Li [Álbum: Wounded Rhymes]
13 – Gone - Madonna (Bonus Track) [Álbum: Music]


~
:*
Black Cherry

Nenhum comentário:

Postar um comentário