Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pedido


Me lava
Me ama como se ama a chuva
Faz chover sobre mim o sol que te arda
Arruína minha sombra obliterada
Engrandecida na arrogância de desejar a morte
Estrangula-a e depois atira-a no rio
Dito incerto, momento vão, tão bem guardada
Caça minha visão desesperada
E só depois, e só então, a despedaça

Não tenho mais nada
A não ser a torrente dos meus lençóis esmagadores
As horas e seus eternos defensores
Não esqueça que posso me esquecer
Entre lágrimas roucas e pedidos surdos
Tristeza que me faz estremecer
Amaria noite, amaria em mudo
E ainda venceria teu olhar amante ignorado

Me abraça
Eu conseguiria teu calor arrepiado
Se pudesse ser uma concha sem memória
Teu lábio seco me enlaça vida
Imortal apagada e esquecida
E eu posso te pedir: não vá embora
Mesmo que eu seja minha própria partida
Respiração efêmera sabor amora
Enegrecido no
bem querer de não ser nada.
~
Verano

Nenhum comentário:

Postar um comentário