Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Black Cherry e a vida

Eaí povo (?) que acompanha o meu blog. Como estão? Bem? Mal? Péssimos? Prestes a cometer suicídio? Querendo enfiar a cabeça na terra? Guardando mágoas de alguém? Bem, bem, bem...
Não que eu esteja sentindo isso, mas a sensação é como tudo junto. Não, não estou guardando ressentimento nem querendo me matar, ainda planejo muita coisa na minha vida pra querer isso e, digamos que, além de ter envelhecido uns dez anos só durante esses cinco meses de 2011, já me aconteceu tanta coisa que eu não sei nem por onde começar. Ou talvez deixe simplesmente de lado.
Minha vida, além de certa, também está tão incerta quanto certa (isso faz sentido pra você? Pra mim nem um pouco).
Pois bem, a começar pela faculdade que eu queria fazer, e que, claro, não tem em Macapá (uma lista de coisas que tem em Macapá é bem pequena, já a lista que não tem, é meio desagradável...). Faculdade de Audiovisual.
Cinema, fotografia, roteiro, direção, poesia, arte em movimento. Tudo, exatamente tudo que tem haver comigo está em Audiovisual. Mas pois bem, ainda preciso pesquisar melhor as faculdades de audiovisual aqui no Brasil (públicas) e ver o que acontece. Mas, caso não consiga, meu outro objetivo é cursar artes.
Tá, quer dizer, artes está virando primeiro objetivo. Primeiro porque, em Artes também tem muita coisa haver comigo, e eu fui feito pra arte.

Eu nunca vou ser aquele filho que passou em Direito ou que obteve uma vaga invejável em Medicina, sério. E não é pessimismo, é porque eu de fato não tenho capacidade pra cursar isso (tampouco paciência [apesar de que ultimamente minha paciência está um pouquinho maior do que o habitual, isso deve se chamar amadurecimento e... ah, enfim]). E Medicina e Direito, bem, são áreas sociais demais pra mim.
Acho que fui feito pra estar num Hidden Place e apenas expor minhas fotografias e livros mundo afora, e espero um dia ser reconhecido (tipo, eu já vou ser reconhecido em Macapá e tals com o lançamento do meu livro mutilado intitulado Santuário, mas não é a mesma coisa que o mundo inteiro parar pra ler você).
Bem, acho meio injusto você se esforçar tanto pra ser um escritor agradável e no mínimo decente na sua narração e ter que se humilhar pra ser reconhecido numa cidade que não te merece, enquanto uma Bruna Surfistinha da vida escreve acéfaladamente "livros" sobre as trepadas loucas dela e todo mundo bater palmas de pé.
Eu tinha dito num post anterior sobre o quanto morria de inveja de uma Stephanie Meyer, uma Bruna Surfistinha e um jogador de futebol da vida terem tanto alarde por tão pouca merda, e ganharem uma quantidade exorbitante de dinheiro por simplesmente não ter conteúdo. Sério, o mundo não precisa de pessoas inteligentes? Não que eu me considere inteligente, na verdade não sou nada inteligente e vivo fazendo burrada à lá Zoey Redbird em House of Night igual uma vadia surtada, mas pô, eu tenho lá meu cérebro né. (E pelo menos espremo ele bastante pra escrever).
Pois bem, essa inveja se transformou numa espécie de tristeza mesclada com raiva, e meta.
Sim, meta. A começar por ontem, que finalmente terminei um livro de poesias caprichadérrimo (e que nem dá pra comparar com as poesias que eu coloco nesse blog de tão bom que é [modéstia, cadê?]) que ficou meio em hiato desde o segundo semestre de 2009, era pós-Santuário. O título original desse novo livro se chama Renascimento do Santuário, mas não sei se vai ser esse mesmo, enfim.
Depois vem Oráculo das Feras, hoje passei a manhã esboçando tudo o que eu preciso pra começar a transformar a primeira parte em livro (e que provavelmente só vou terminar na metade do ano que vem ou até mesmo no final). E uma notícia triste, vou ter que apagar todas as postagens dessa série aqui do blog, primeiro porque vem a Biblioteca Nacional pesquisar na internet pra ver se eu não estou plagiando e assim conseguir direitos autorais, e segundo por causa de plágio mesmo (e espero que ninguém tenha roubado Oráculo das Feras do meu blog, se roubar vai ter muita, muita, muita porrada >.>). Mas enfim, acho que só vou apagar mesmo quando terminar todas as postagens da terceira parte (que deve começar em dezembro mesmo), e aí vou apagar uma parte por mês.
E AI, meu blog vai ficar tão sem graça sem Oráculo das Feras e a fantasia que eu tive tanto trabalho pra compor (e uma boa ajuda do meu amigo Louie).
Mas por enquanto aproveitem o quanto podem, e se plagiarem, façam pelo menos um livro decente pra ele, assim quando eu for um escritor reconhecido e autêntico vou poder jogar na cara de vocês o quanto eu sou original e vocês não, *MUÁHAHAHHAHAHAHAHAHA*.
Fiquem com Deus, ou com o Demônio, ou com sei lá mais o quê que vocês querem ficar. Kissu.








~







Black Cherry e Andrew Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário