Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

sábado, 30 de abril de 2011

Degela


Você é o meu arauto?
Eu posso me fixar em você ao menos um pouco?
Por quê?
Eu posso parar com tudo isso ao seu lado
e te presentear com minhas promessas?
Eu prometo que te farei sorrir
Como uma lâmina que ama a minha vida.

Eu serei bom, eu sei
Tenho certeza que posso ser muito mais
do que jamais fui.
Então me ouça
Preste atenção quando você pisa nesses cacos
Que crepitam sob seus pés
Uma canção que se parte
Uma fechadura que nunca abre,
Restos do meu coração.

E neste luar cheio, pairado e insignificante
Que não é mais nada para mim
Além dos teus olhos de pérola
E teus cílios de diamante
Eu vou invocar num ritual satânico
O teu nome e o teu abraço
Que serão a fonte da minha sobrevivência.

E eu não sou mais nada
Além de uma faísca
Que por um único momento explode
E é roubada para ninguém.

E então você vem
Com suas ondas incansáveis
As mãos de um demônio
Ondas dos céus inexistentes
Criança calada à prova de balas
Furtando as minhas alvoradas
e as minhas estrelas


É só o que me resta.







~






Andrew Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário