Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Oráculos e uma entrada triunfal

Bem, aqui estamos nós novamente, por incrível que pareça estou recebendo mais visitas do que o normal, e ainda fico na esperança de que todas as pessoas que me visitam, sejam fantasmas internautas ou não, deixem algum comentário nas minhas postagens sórdidas e depravadas, enfim. Cá estou nos meus últimos dias de 2010, agora em Macapá, e posso dizer que a minha estadia em Manaus foi muito boa, não que chegue perto do inesquecivel, mas é quase por aí. Querem saber como foi meu período ausente neste blog? Eu vou contar.

Dia 22 eu andei pelos shoppings de Manaus com Olívia, minha avó materna, comprei o box da segunda temporada de True Blood (já havia comprado o da primeira), e mais os presentes dos meus pais, e do meu irmão Michel, e estava realmente bem comigo mesmo, sabe, apesar de que até há uns três dias atrás eu me encontrava realmente péssimo, e sim, também havia saudade no meio disso, mas era muito mais. Por quê? Porque desde que cheguei em Manaus eu não parei pra pensar, em nem um minuto, sobre a minha vida, sobre as minhas decisões, sobre a mim mesmo e o que eu esperaria mais dali em diante. Eu estava alienado em compras e lugares turísticos, quer dizer, isso é o objetivo de uma viagem, não é? Não exatamente pra mim, eu queria muito viajar porque teria tempo pra pensar em várias coisas, e não pensei em sequer metade delas.

Dia 23 eu saí de novo, com o mesmo ritmo do dia anterior, sem sentir nem se alegrar totalmente. Comprar é bom, mas não te preenche em nada, exceto pelo fato de te entreter.

E dia 24, ah, dia 24, foi um dos piores dias do ano, é claro, é sempre assim, como eu já disse numa postagem anterior. Meus natais nunca dão certo. No natal eu não vejo paz, nem harmonia, nem perdão, nem luzes ou comida farta, nem companheirismo e felicidade.

No natal eu me sinto mal, com vontade de ficar apenas no meu quarto, trancado, ouvindo Vespertine da Björk até me dissolver num mundo só meu, e que eu jamais revelarei para alguém. Eu tenho vontade de sair correndo, com um sentimento de liberdade, e por um curto período de tempo acreditar que tudo está bem, que tudo vai melhorar, e que algum dia eu vou ter um natal normal, quando eu tinha na minha infância, e não entendia muito bem o que as pessoas falavam e berravam, porque eu só olhava para os doces.

Mas agora é bem diferente, até porque, não são para os doces que eu tenho que olhar.

Dia 25, eu só queria chegar em casa.

Dia 26 houve uma certa destruição em casa.

Bem, uma época natalina tentadora, não? Mas enfim. Aí vai mais um capítulo novo de Aurora, finalmente, e não vou adiar mais Oráculo das Feras II, até porque, eu também estou ansiosíssimo pra continuar as aventuras de Perseu e Minerva e tantos outros personagens dessa série que, pra mim, é a melhor que eu criei, superando até a minha doce Hidden Place (e que eu espero que tenha sido tão bom aos olhos de vocês quanto foi pra mim escrevê-la). Boas festas =).









~



PS: E me desculpem mais uma vez a demora pra postar Aurora, além do que eu citei nesses dias ausentes, houve muito mais que eu prefiro nem falar sobre... mas pois é, e por isso e por outros motivos não tive tempo nem pra escrever ODF II (mas o capítulo 1 já está quase prontinho pra ser solto aqui...)






Andrew Oliveira e Black Cherry

Nenhum comentário:

Postar um comentário