Solitude, darkness and love


"I don't wanna admit, but we're not gonna fit"

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Inconstantes


Black Cherry ainda estava tentando se adaptar a tudo aquilo, tudo aconteceu tão rápido que parecia um sonho lúcido, estava esperando um entrevistador que já estava há uma hora atrasado chegar no seu apartamento luxuoso, e pensar que há apenas dois anos atrás estava numa kit-net menor do que este sofá!

Sorriu um pouco, só um pouco.

A última editora que Black Cherry tinha visitado naquele dia aceitara a publicação de seu livro de poesias, que logo virou um sucesso de crítica, assim como seus romances best-selles, incrementados com com muita complexidade e surpresas, nem tanto parecidos com a vida real. E aliás, um deles já estava planejando se tornar um longa-metragem, mas com uma condição que o autor impôs, ele escolheria os protagonistas, aliás, estar no poder lhe dava estes caprichos como se fossem água, escolheu o diretor mais polêmico da nova era, afirmou diante de tantas câmeras.

A tarde em Nova York era confortável, cheio de pessoas estilosas e agradáveis, ao menos as que Black Cherry via, ao lado de seu gato persa ganhado.

Eram tempos novos, e até a estética de beleza mudara com o tempo, 2013, não houveram catástrofes nem inundações, apenas um universo novo se abriu, o jovem comprou um jornal após ter autografado um exemplar do seu último romance lançado para o jornaleiro, e sentou num banco qualquer da Central Park.

Nas primeiras páginas já estavam estampadas o rosto da mulher que inovou os conceitos de moda e beleza no mundo, Stella: "Stella contribui com a sucessora da marca McQueen para a criação da nova coleção de peças de outono, e o dinheiro arrecadado com as vendas será entregue para Ong's beneficientes", dizia a notícia.

Stella, sorriu Black Cherry, sua personalidade forte e atitudes práticas seriam perfeitas para a irmã do protagonista. Agora, quem seria o protagonista?

Envolto em pensamentos sobre estranha beleza, Black Cherry fechou um pouco os olhos para pensar melhor.Até que a resposta sentou-se ao seu lado, bebendo café expresso.

Ele abriu os olhos rapidamente ao sentir a presença e olhou para o homem. Uma beleza clássica, porém de ar puro e instigante, com olhos esbugalhados maiores do que a lua, hazel talvez, o gatinho persa pulou no colo de Black Cherry para vê-lo melhor também.

Era forte, era quente, era poético. O homem sorriu para Black Cherry, que já estava achando que seu protagonista pulou do seu livro para o mundo real, e estava ao seu lado.

- Olá? Você é o famoso escritor Black Cherry não é? Cara, eu te reconheci de longe, eu adoro os seus poemas, os seus romances, são perfeitamente delineados. Prazer, eu chamo Lucas. Lucas Lustat.





~













Andrew Oliveira, ou apenas um observador (:

Nenhum comentário:

Postar um comentário